Dia Litúrgico de Nossa Senhora das Mercês

Sem categoria

Conta-nos a história que a ocupação de toda a Espanha pelos Visigodos, nos últimos séculos da Idade Média, não foi bem sucedida, pois vieram os Árabes e expulsaram-nos para as montanhas das Astúrias, ficando assim senhores de toda a Península. Só muitos séculos depois foram também eles expulsos.

Durante todo esse tempo de guerras e mais guerras, foram levados cativos para África muitos cristãos. Aqueles que seguiram a prática do Islamismo, eram tratados como homens livres, todos os outros tiveram um tratamento bem diferente, pois chegavam a ser vendidos como escravos, a menos que, as famílias arranjassem o necessário para pagar o requerido resgate, o que era praticamente impossível.

Durante todo esse tempo, apareceram almas caridosas e piedosas que iam lutando pela libertação desses cativos. D. Fernando de Contreras, Louca do Sacramento, S. Pedro de Nolasco, foram alguns desses. Contudo, S. Pedro de Nolasco, chamado de Cônsul da Liberdade, pelos seus actos em favor da libertação, rezava continuamente à Virgem Maria e suplicava-lhe inspiração para arranjar forma para resolver tão triste situação.

De imediato este santo começou a actuar, vendendo todos os seus bens e angariando outros, para proceder ao resgate dos cativos e à sua consequente libertação. Conta-se que na noite de 1 de Agosto quando S. Pedro se encontrava a orar, lhe apareceu a Virgem Maria, animando-o nos seus actos e lhe ordenou a construção da Ordem Religiosa da Mercês. S. Pedro de Nolasco contou esta visão a S. Raimundo de Penhaforte e ao Rei Jaime I que o ajudaram na concretização desse seu projecto. Aos três votos habituais de religião os membros da Ordem, chamados de voto: se não arranjassem meios para concretizarem o seu projecto, haviam de se entregar como reféns. Graças ao seu heroísmo e à generosidade dos cristãos a obra foi concluída.

Assim ficou, como modo de acção de graças, que essa instituição celebraria uma festa dedicada a Nossa Senhora das Mercês, que seria sempre invocada como Medianeira de Graças para alívio dos seus filhos cativos. Conta a história que certo dia um alto empresário de visita a Espanha, achou tanta graça a este nome, que o deu a sua filha e também a uma marca de automóveis, ainda hoje, muito considerada.

O culto a Nossa Senhora das Mercês rapidamente se estendeu por toda a Espanha, tendo sido a cidade de Barcelona escolhida pela Virgem das Mercês, como lugar da sua aparição. Nesta cidade existe um altar com a sua imagem que é das obras mais esplendorosas.

Na nossa paróquia o culto a Nossa Senhora das Mercês existe há mais de duzentos anos e é concretizado na Capela (hoje denominada Igreja Antiga) erigida em sua honra no lugar de Beloi, na zona sul da nossa paróquia. Este ano, e pela primeira vez, foram realizadas as festas a Nossa Senhora das Mercês em conjunto com as festas ao Martir S. Vicente no passado dia 15 de Agosto, que foram um verdadeiro sucesso na nossa paróquia, a julgar pela participação e organização das mesmas! O seu dia litúrgico celebra-se a 24 de Setembro onde teremos também a comemoração do aniversário do Grupo Coral de Nossa Senhora das Mercês e várias surpresas no Centro Social.

Vítor Almeida

Sem comentários

Deixe uma resposta

Allowed tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>